Profile | Facebook | Videos | Fotos | Portofolio | Ebay | Leilões.net | email |

O teu silêncio tomou-me os dias, e todos os dias aprendo a viver com ele. Como pessoa livre que és, escolheste pôr-me fora do teu caminho. Nunca saberei quando tomaste a decisão, nem porquê.

Não sei o que é amar alguém e desistir desse amor, por isso tento não pensar naquilo que me é impossível entender, que é alguém ter o amor entre as mãos e deixa-lo escorregar como água.

Existiu sempre dentro de mim uma força que me impeliu na tua direcção. Chama-lhe intuição ou vontade, chama-lhe loucura ou desejo, chama-lhe o que tu quiseres, mas nessa força imensa agora paralisada pelo teu silêncio havia um pouco de tudo. E o amor é feito de mil e um pequenos nadas que são tudo, ou quase tudo. Uma força quase sobrenatural, uma vontade acima da minha vontade, que sobreviveu meses a fio, alimentada a sonhos.

Mas os dias vão tecendo à minha volta uma teia cada vez mais grossa, e sinto-me prisioneiro do tempo e do silêncio, sem armas para me libertar desta rede que me anestesia o coração.

Sonho ainda com um último beijo, o que sempre evitámos dar por medo, porque sabíamos que seria igual ao primeiro. Nunca conheci ninguém que percebesse sempre o que lhe queria dizer, mesmo quando me calava a meio das frases e as fechava com um olhar. Tu compreendias sempre o que te estava a tentar dizer para além do que te dizia, o que tinha tanto de sublime quanto de raro.

Talvez por isso mesmo não estejamos destinados a ficar juntos. À soma de todas as partes para um todo maior do que nós. A cumprir um sonho que ambos sonhámos e que agora se desvanece com o passar dos dias. A perfeição nunca existiu na continuidade, apenas se faz representar por escassos e velozes momentos durante toda uma vida.

Ah! Um minuto de felicidade! - Não basta isso para encher uma vida?

Não, não basta um minuto de felicidade para encher uma vida, porque a vida é feita de muitos minutos, e cada um deve trazer-lhe algo mais do que uma doce e ténue recordação de algo muito precioso que teve e perdeu. Não bastam dias de sonho, semanas de paixão, meses de vontade, porque a verdadeira vida é a que se constrói todos os dias, feita de gestos, atenções e cuidados, pequenos nadas que são quase tudo. E como de ti já não tenho nada, resta-me fechar as portas e respirar fundo, e desejar que encontres o que queres no teu caminho escolhido.

Amar também é não saber porquê, deixar-se ir, acreditar em alguém, que provavelmente nem merece a nossa entrega, mas mesmo assim arriscar, duvidar, saber esperar, até que o tempo nos confirme se nos enganámos ou não...

Parecia impossível encontrarmo-nos... há tanta gente... o mundo é tão grande... e os nossos caminhos tão diferentes... Tudo parecia estar contra nós... parecia impossível encontrarmo-nos... mas encontrámo-nos... Pela primeira vez... contra as vezes em que estivemos longe de nos conhecermos...

Mas o que interessa isso agora? Contra todos os contras, encontrámo-nos. É por ser tão contrário a todas as possibilidades, que é difícil acreditar num encontro como o nosso.

Não contam os encontros em que as pessoas se apresentam umas às outras, nem os combinados, nem os previsíveis. Só contam aqueles em que duas pessoas se encontram, sem nada terem feito para se encontrarem. Contra tudo o que seria de esperar, esses sim, porque nunca acontecem... mas foi o que nos aconteceu. Se fôssemos à procura um do outro, não conseguiríamos encontrar-nos, mesmo que quiséssemos... que não queríamos.

Foi tarde demais para nos escondermos, e era impossível fugirmos. Lemos os pensamentos um do outro, e os nossos olhos riram-se. Ficámos com a sensação absurda de que já éramos amigos há muito tempo, e por isso não conseguimos falar de outra coisa senão do destino. Pareceu-nos que fomos escolhidos para nos conhecermos... fomos apanhados de surpresa.

As pessoas conhecem-se, apresentam-se umas às outras, ou então fazem por se encontrar com quem querem, fazem planos, criam situações. Mas quantas se encontram só por encontrar? É quase impossível duas pessoas encontrarem-se de verdade. São ou não lindos os encontros em que nem um nem outro se procuram? São encontros que acontecem contra todos os outros encontros. A começar pelas próprias pessoas que se encontram, que não queriam sequer encontrar-se.

Um encontro só pode ser puro e pleno, quando é livre e inesperado. Não deve ser condicionado por expectativas. Tem de começar do nada. Quando duas pessoas se encontram têm que ser desconhecidas uma da outra, para pouco a pouco se poderem conhecer e amar. O encontro de duas pessoas só se torna um encontro de almas, se ambas estiverem abertas uma para a outra. Foi o que nos aconteceu...

Quando os vossos amorosos rebentos vos puserem a fatal questão:
"Paiiii, Mãeeee, o que é sexo?"

O sexo é uma actividade a que as pessoas se dedicam quando querem ter filhos, orgasmos ou dormir melhor de noite. O sexo normalmente faz-se entre duas pessoas, mas pode ser com muitas, ou só com uma, mas aí as pessoas chamam outros nomes ao sexo, por isso já não é sexo.

Para dar filhos o sexo tem de ser feito entre dois órgãos diferentes, um ovário e um testículo. Como o ovário está enterrado na barriga das pessoas, e o testículo é uma bola mole e dorida, não se consegue ter filhos tendo só estes dois órgãos. Aí existem duas soluções, ou se vai ao médico e se faz a coisa com seringas, ou se dá uso a outros órgãos.

Estes outros órgãos são os pénis e as vaginas. Um pénis é um órgão assim em forma de cenoura, banana ou pepino, de cor rosa-acastanhada, e textura variável. A vagina é um bocado de carne com um buraco no meio. Quando o pénis está em modo textura dura, consegue enfiar-se e aguentar-se dentro do buraco de carne, e o testículo pode mandar os genes pelo pénis fora, que lá dentro eles já se conseguem encaminhar e chegar ao ovário.

Os pénis e as vaginas não são muito bonitos, não cheiram muito bem, e tendem a ter doenças e maleitas facilmente contagiosas, mas as pessoas não têm nojo porque têm mais-valias. Uma mais-valia do sexo é o orgasmo. O orgasmo é bom e distrai as pessoas dos problemas da vida no geral, e do sentido desta em particular, e as pessoas gostam de ter orgasmos, e por isso gostam de fazer sexo. Outras mais-valias do sexo incluem ter filhos, dormir melhor, e aquecer os pés. Um dos problemas do sexo é a desigualdade de direitos.

A localização do centro fazedor de orgasmos está localizado no pénis, e aos homens basta fazer sexo para os ter. Mas nas mulheres o centro fazedor de orgasmos está localizado fora da vagina, por isso é mais difícil de convencê-la de que ter uma pila feia, mal cheirosa, e passível de ter doenças dentro dela é boa ideia, principalmente se a mulher não quiser ter filhos, já tiver os pés quentes, e não sofrer de insónias. Uma boa maneira de convencer uma mulher de que o sexo é boa ideia é amá-la.

Agora eu carregava num botão e voltava tudo atrás. Tu aparecias-me, e eu voltava a tropeçar em ti e a pensar que se calhar eras a pessoa certa para mim. Tu descansavas o teu olhar nos meus ombros, passeávamos de mãos dadas e depois levavas-me para casa, e despias-me com cuidado e nunca mais de lá saías.

Tenho saudades de tudo o que vivi, o passado é uma gaiola gigante e invisível da qual nunca consegui sair, e que por vezes lembra-me que vivo fechada no meu mundo de memórias e momentos só meus.

Quando se ama a vida, ama-se o passado, porque ele é o presente tal como sobreviveu na nossa memória. Sei que por isso vou demorar muito tempo a esquecer-te, porque esquecer-te é roubar a mim própria uma das minhas maiores fortunas, e sem dúvida, a mais difícil de conquistar.

Já era tarde quando te encontrei. Para uma mulher é sempre tarde, todas as mulheres querem que alguém tome conta delas, todas as mulheres querem ser amadas, mesmo as que dizem que não, as que fingem que são muito felizes só com o trabalho, sobretudo as que dizem que já desistiram, e que os homens não valem a pena.

Quando me apaixonei por ti conheci o futuro, como se cada dia longe de ti fosse um enorme desperdício, e cada dia na tua companhia possuísse o encanto de uma última vez.

Hoje vives longe, porque a tua vida sem mim te é mais fácil, e não há estrada possível que me leve até ti, quando tu estás parado. Por isso cruzo os braços e já não espero nem sonho, apenas descanso e vivo. É que no fundo ainda te amo, e quando se ama a vida também se ama o futuro, e o que agora é passado, ainda pode acontecer.

Qualquer dia da nossa vida é a única certeza que temos de futuro


Hoje estou vencido...
como se soubesse a verdade...


Hoje estou lúcido...
como se estivesse para morrer...


Esta noite a música parece-me estar tão alta...
E eu gostava tanto de estar contigo longe... longe da multidão.
Mas talvez seja melhor assim...

Nós poderíamos magoar-nos com as coisas que teríamos para dizer um ao outro...
Coisas que o tempo nunca poderia reparar, porque na verdade não há consolo para tanta dor...
E dor é tudo que poderíamos encontrar.
Poderíamos ter-nos dado tão bem.
Poderíamos ter "dançado" para sempre...
E agora com quem eu vou "dançar" ao som desta musica?
Poderia ter-te pedido para lutares...
E agora, pergunto-me...
Porque é que me deixaste ir?
Porque é que não lutaste por "dançares" comigo para o resto da vida?

Desconfio sempre das pessoas que não usam perfume, porque para mim isso significa que não dão importância ao cheiro. Aconteceu-me há pouco tempo conhecer alguém por quem me julguei apaixonada, que não usava perfume.

Conheci-o numa noite de copos e música dos anos oitenta. Ele estava na pista a dançar, onde toda a gente suava ao ritmo que dançava, e havia quem destilasse perfume, e quem se tornasse indesejável a um palmo de distância. Em noites assim a minha miopia trai-me constantemente. Acontece-me ver alguém de quem penso gostar e avanço destemida, e quando finalmente os meus olhos dão de caras com a figura, caio em mim e quase tropeço.

Ele parecia-me bonito, mas para ser verdadeiramente sincera, o que me chamou a atenção foi o facto de haver alguém que parecia olhar insistentemente para mim... e era bonito... ou parecia... Em noites destas, quando a miopia e a Vodka se encontram o risco é maior.

Era verdade, ele olhava para mim. Eu passei rente a ele, com a desculpa de ir subir umas escadas, e ele agarrou-me o braço. Ele era o verdadeiro "homem cebola", sem perfume, e disposto a sair da casca naquela noite.

A miopia não me tinha traído assim tanto, porque ele até tinha uma figura bonita, e a conversa arrastou-se pela noite fora... fomos parar à cama... o intenso desejo dele por mim excitou-me... consumia-me com aquela avidez de alguém esfomeado a quem se dá um prato cheio... e eu tenho muito prazer em ver comer...

Quando ele se foi embora, ficou-me o cheiro da pele... da pele que não respira o prazer do perfume...

Dois dias depois, marcámos um encontro num bar ao fim do dia, e quando me deu dois beijos senti-lhe o cheiro da pele... aquele cheiro que não vê perfume, e perguntei-lhe: "Tu não usas perfume, pois não? É que eu seria incapaz de me apaixonar por alguém que não gostasse de perfume"
Ele respondeu-me: "Não, não uso perfume, mas acredito que deixo rasto..."
E eu pensei comigo mesma... Pois deixas, mas eu é que prefiro perder o teu...

Odeio dormir despida. Dois minutos bastam-me depois da "união de esforços", para sentir o corpo alheio e ouvir qualquer coisa como: - És tão macia...
Eu digo que sim, e penso: - Agora já podes tirar o braço do meu ombro.

Evidentemente que ele está a fazer o mesmo sacrifício que eu, mas pensa duas vezes antes de se afastar, porque tem medo de parecer pouco romântico, e de dar logo a impressão (dois preservativos depois), que era apenas o sexo que o movia. Tento sempre evitar os complexos, por isso procuro manter o ambiente à média luz, para que não seja na primeira noite que se fiquem a conhecer todos os meus defeitos.

Aproveito o facto de acordar sempre a meio da noite para vestir o que estiver à mão... mas nunca as cuecas dele, nem a camisa (isso é coisa de filmes) que ele vai voltar a usar... muito menos as meias...

Normalmente quando acordo procuro o meu pijama. Uso sempre combinados (calças/camisola) discretos, de cor única, que se podem passear num jogging matinal. Muitas vezes para os enganar, salto da cama ao primeiro toque do despertador e digo já a respirar com disciplina: - Vai uma corridinha?

Eles ainda atordoados esfregam os olhos, e não percebem que estive ali o tempo todo a dormir "equipada". Assim ficam com uma imagem de uma mulher energética, ainda que se perguntem porque é que eu não tenho um corpo mais atlético... Pijama sim, camisa de noite imaculada nunca, ou passaria a madrugada em branco...