Profile | Facebook | Videos | Fotos | Portofolio | Ebay | Leilões.net | email |

Este ano de 2006 aprendi muito...
Por isso, hoje um mês depois volto aqui, ao mesmo sítio de sempre, onde me cansei de ser porto de abrigo, e onde aprendi que também eu posso ser um porto de chegada... para vos desejar...

And

Happy New Year

Não queria deixar de partilhar convosco, tudo, que ao longo deste ano aprendi...
Aprendi que há coisas na vida pelas quais lutamos e conseguimos, mas há outras pelas quais não vale a pena lutar. Aprendi que amar é saber respeitar o tempo e o modo de cada um, porque cada coração tem o seu modo de bater, e cada alma tem o seu tempo. Aprendi que quando se começa a construir alguma coisa, tem que ser pedra sobre pedra, e que muitas vezes mais vale deitar tudo abaixo e começar de novo.

Este ano aprendi que a distância não tem nada a ver com quilómetros, e que ninguém constrói uma ponte sozinho, por isso a proximidade é uma arte. Aprendi que a música é muitas vezes a minha melhor companhia, porque há melodias que tal como o amor são eternas, e quanto mais tempo passa, mais importantes são, e mais sentido fazem na minha vida.


Este ano aprendi que por vezes não trato da melhor maneira as pessoas de quem gosto, mas que se o faço é porque gosto demasiado delas... são importantes para mim, e me importam muito. Aprendi que a amizade é uma das mais belas formas de amor, e que o tempo que temos para os amigos é sempre pouco, porque embora o tempo não se perca... gasta-se.

Este ano aprendi que a generosidade que temos com os outros se vira contra nós. Aprendi que muitas vezes é preciso respirar fundo antes de responder, calar em vez de falar, porque estar parado pode ser acção, estar calado pode ser comunicar, e ficar quieto pode ser a forma mais inteligente de agir, mas nunca deixando de dizer aquilo que a minha consciência manda na altura certa. Aprendi que a sinceridade é uma arma demasiado perigosa, por isso ouço demasiadas críticas, e encaro os elogios com alguma desconfiança.

Este ano aprendi a perceber que as minhas filhas crescem depressa demais, e que elas precisam tanto do Pai como o Pai delas. Este ano aprendi que 2007 só pode ser melhor... muito melhor... muitíssimo melhor... Este ano aprendi que no fundo andamos todos à procura do mesmo...

Amor... Carinho... Tranquilidade...

Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day
You gave it away
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special

Estava eu a andar de carro hoje de manhã quando ouço este clássico e pensei: "É Natal...lá temos de levar outra vez com o Last Christmas". Mas depois aprofundei o pensamento, como sempre faço enquanto conduzo, e apercebi-me que a letra não tem absolutamente nada a ver com o Natal... tirando o título.

Pus-me de imediato a reflectir se tirando o título e o facto de esta música inundar as rádios por esta altura do ano haveria mais alguma razão para estar conotada como música natalicia...

Curioso... como todos os anos ouvimos um milhão de músicas natalícias na rádio. Uma banda pode não ter nenhuma música de jeito, mas se tem alguma que diga "Christmas", é certo e sabido que se torna num êxito radiofónico nesta época. Mas isto já nós sabíamos. O que eu queria dizer vem a propósito do clássico "Last Christmas".

Last Christmas (Último Natal)

No último Natal
Eu dei-te o meu coração
Mas no dia seguinte, tu traiste-me
Este ano
Para me salvar das lágrimas
Eu vou dá-lo a alguém especial

Uma vez magoado, terei mais cuidado no futuro
Eu fico longe
Mas tu ainda chamas a minha atenção
Diz-me, querida
Reconheces-me?
Bem,
Já passou um ano
Não me surpreende
Eu embrulhei e enviei-te
Um bilhete escrito a dizer "Eu te amo"
A sério
Agora sei o quanto eu fui tolo
Mas se tu me beijasses agora,
Eu sei que me enganarias de novo

Um lugar cheio
Amigos com os olhos cansados
Eu estou a esconder-me de ti
E da tua alma gelada
Meu Deus, eu pensei que tu fosses
Uma pessoa confiável
Eu?
Acho que podia ser um ombro para tu chorares

Talvez no ano que vem eu dê o meu coração para alguém
Eu o darei para alguém especial



No Natal do ano passado a rapariga a quem entregou o seu coração não correspondeu aos seus sentimentos. Mas este ano é que é, desta vez vai dá-lo a alguém especial!
Só que no ano seguinte lá vem outra vez com a mesma conversa... Será que não aprende que tem mesmo azar no amor?
Todos os anos aparece todo confiante do estilo "agora é que é!", só que depois no ano seguinte confessa que foi um balde de água fria...

Há gente que nunca muda!...
E eu sou um deles... um eterno apaixonado...

É Natal, um Tempo que deveria ser de Paz, de juntar os que mais amamos à nossa volta, de dar e receber carinho em forma de presentes embrulhados em papel de sonho, ou apenas em abraços feitos de alegria. É tempo de emoção, de celebrar crenças, fé ou tão simplesmente a amizade.

Tempo de vos dizer como todos vocês que fazem parte desta família que é o "Pedaços de Nós" são importantes para mim, e que vos desejo a todos um Natal cheio de felicidade, e um Ano de 2007 melhor... muito melhor... muitíssimo melhor...

Quando um homem ama uma mulher, parece que odeia todas as outras mulheres. Com as mulheres já não é bem assim. Vá lá alguém saber porquê. A indiferença parece que as atrai... desafia-as... diverte-as... sei lá... deve enfurecê-las pensar:
"Este gajo não quer nada de mim..."

"Não penses que sou um gajo como os outros" - disse eu a uma que só queria dormir comigo - "sem fazer nada" - como elas gostam de dizer. Como se dormir não fosse já gravíssimo!!!
Abri um livro, e comecei a ler... ela começou a rir-se... esticou o dedo do pé até tocar no meu pé, e respondeu...
"Eu sei... vi logo que eras um gajo diferente..."
Continuei a ler...
"Diz-me uma coisa bonita" - pediu ela
E eu disse...
"És a rapariga mais bonita que já vi..."
E ela perguntou...
"Quantas viste até hoje?"
E eu respondi...
"Contigo treze..."

Fodemos como doidos... mas eu queria ler!!!
Amei-a... depois tentei esquecer... e ela enrolou-se numa almofada e dormiu...
Agora o que me custa mais não é tanto lembrar-me desses momentos... é não os esquecer...
O que é que se faz com o que nos fica na cabeça, quando já não há nada a fazer?