Profile | Facebook | Videos | Fotos | Portofolio | Ebay | Leilões.net | email |

Há muito tempo que não sinto o teu cheiro. Dantes quando a distância era apenas ditada pela nossa vontade, bastava-me inspirar um pouco mais fundo para te apanhar no ar. Era um tempo que corria muito depressa, e parecia sempre pouco. Era um tempo em que o nada era tudo, em que as palavras se silenciavam mesmo à porta de casa, e em que a música ia dizendo o que não sabíamos explicar, nem compreender.

Nesse tempo, tu fingias que não te doía a distância, e eu convencia-me que era melhor assim. Foram tempos difíceis, em que metade de ti já estava fora daqui, em que só o corpo te mantinha por cá, presa por um fio, como sempre estiveste presa a tudo na vida, e a quem te tocasse no coração.

A verdade é que aprendi a esquecer-te... mas não sei se te esqueci... parece-me que não é bem isso... nem sei se os meus joelhos voltariam a tremer, ou se teria um ligeiro ataque de pânico se nos voltássemos a cruzar... ou se pelo contrário, te estendia a cara para trocar um beijo rápido, quase impessoal, que não me faria sequer virar a cabeça e seguir-te os passos no caminho do afastamento.

Não sei como é a vida, o dia de hoje, o próximo minuto, o instante que se segue, porque nada é certo e seguro, e nada se agarra a não ser por escassos instantes. A vida ensinou-me a aceitar na perda uma vantagem qualquer.

8 Comments:

  1. Freyja said...
    uiii que triste,cuando se acaba la magia y el amor se vuelve olvido
    pero pasa lamentablemente, cuando el encanto acaba y el amor tambien, dejando silencio y ausencia
    mil besitos y que estes muy bien
    un abrazo muy grande


    besos y sueños
    Porquê? said...
    Querido Art,

    bonito texto, como sempre!
    Gostei especialmente do final:
    "a vida ensinou-me a aceitar na perda uma vantagem qualquer".
    É o que normalmente acontece, acabamos por só dar o verdadeiro valor às pessoas quando já não as temos, ou já não a podemos ter ou depois de percebermos que passámos por pessoas bem piores...
    Por vezes o destino também nos prega partidas quando nos resolve apresentar aquela pessoa com quem tanto nos identificamos mas no "timing" ou local errados! é injusto mas é isso que nos amadurece e nos faz saber o que realmente não queremos nas nossas vidas!
    Bom fim de semana,
    beijinho
    Cristina said...
    Art,
    Infelizmente a vida continua, nem sempre como desejamos...

    Um bom fim de semana,
    beijinhu
    Nefertiti said...
    Art,
    A verdade, a verdade é que tudo aprendemos na vida!
    Aprendemos a amar, a acreditar no amanhã...
    Mas, também, aprendemos a sofrer e, sim, a esquecer...
    Nem que “esquecer” seja só uma ilusão ou um “mal? – bem?” necessário para poder continuar...
    Beijinhos.
    Atlantys said...
    Um texto que tem tanto de bonito como de verdadeiro...
    Beijinhos =)
    alyia said...
    "Não sei como é a vida, o dia de hoje, o próximo minuto, o instante que se segue"
    Pois não, mas só o facto de existir já é bom.

    Esquecer? Quem me dera nunca esquecer nada...

    Um texto lindissimo como todos os outros.

    E deixo-te um beijo
    Cristina said...
    Ola,

    Hoje venho aqui para te pedir o teu e-mail do blogger, vem ao meu cantinho para leres o porque
    :)

    beijinhu
    IsaMar said...
    lindo texto
    jinhos meus
    isamar

Post a Comment